Perfil - Prudentina é referência em homeopatia animal

Presidente Prudente

segunda-feira, 2 de março de 2009

MARIA DO CARMO ARENALES

Contribuição à humanidade*  

 

A bióloga e médica veterinária Maria do Carmo Arenales é responsável por uma grata revolução, que ela mesma provocou. Trabalhou em silêncio. Comportamento próprio de quem no exercício profissional da medicina se via impedida de fazer regularmente um curso de homeopatia. No primeiro limitou-se a ouvir. Se abrisse a boca seria expulsa da sala. Teve colega que foi. Ela aceitou o jogo. Pagou matrícula. Foi ouvinte. Não teve direito ao certificado. Mas o que aprendeu lhe ajudou a sedimentar os estudos iniciados como autodidata – embora duplamente graduada – na área da homeopatia animal. 

Estava iniciada a transformação radical dos conceitos científicos de que a medicina homeopática era exclusiva do ser humano. Lá se vão 20 anos...Maria do Carmo comprova a eficiência da medicina alternativa no tratamento de animais. Não só os pequenos ou domésticos, mas grandes também. Está entre os pioneiros do mundo na produção orgânica de leite e carne bovina. Também comprova eficácia da homeopatia em cultivos agrícolas e combate a insetos. Seu trabalho despertou grande interesse de estudiosos e grandes empresas no Brasil e exterior. 

Aeroportos, aviões e auditórios lotados estão na rotina de Maria do Carmo. É conferencista de seminários nacionais e internacionais. Mantém uma clínica em São Paulo onde consegue ficar no máximo vinte dias por mês. Brevemente reduzirá sua permanência na capital paulista para cuidar de seu mais novo empreendimento: um laboratório para produção de medicamento homeopático em Presidente Prudente. O primeiro das Américas. No mundo todo atualmente existem apenas três: França, Bélgica e Alemanha. 

Empenhada em contribuir com o mundo do agronegócio e com a melhoria da qualidade de vida dos 6 bilhões de almas que somos na face da terra. Maria do Carmo tem em Presidente Prudente posição estratégica para atender área que concentram o maior rebanho o maior rebanho bovino do país: São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. Mas não é só. Para orgulho de nossa gente, ela é prudentina. Filha dos pioneiros Mariano Arenales Benito e Izabel Thereza Roncador Arenales. Pai imigrante espanhol. Mãe, descendente de italianos.  

A menina nasceu e cresceu no bairro do bosque. Tem cinco irmãos. São em cinco mulheres e um homem. Todos com formação superior. Ficaram órfãos de pai em 1987. Mariano, dono de uma oficina de soldas, morreu vítima do câncer. Maria do Carmo, a quarta dos seis filhos, fez o primário no Soares Marcondes. O ginásio foi no IE Fernando Costa. Voltou a sua primeira escola para cursar o colegial. Começou na Fafi e terminou na Unesp (em razão da mudança de nome) a Faculdade de Ciências Físicas e Biológicas. 

Naquele tempo parte do estudo na universidade pública era pago. Maria do Carmo se garantia. Trabalhava como monitora no departamento de biologia. Por quatro horas de serviço/ dia ganhava um salário mínimo. Completava sua renda dando aulas particulares. Para os colegas de classe o ensino de reforço ou recuperação era de graça. Formar-se bióloga foi a opção de quem não tinha recursos suficientes para fazer cursinho e muito menos condições de estudar fora. Seu sonho era a medicina veterinária. Mas com o temperamento que tem, a graduação em veterinária não ficou apenas no sonho. Seis meses antes de terminar a primeira faculdade, já estava na Universidade Estadual de Londrina (UEL) absorvendo os primeiros ensinamentos no campo da medicina animal. Durante o tempo que morou na “capital” no norte paranaense se sustentou com o dinheiro ganho em aulas particulares e da produção de peças em tricô. Sua vida acadêmica ocorreu numa época de repressão, em que soldados Exército montavam guarda nos pátios e impediam brutalmente a organização estudantil.  

No mês que vem Maria do Carmo completa 20 anos de sua formatura em medicina veterinária. Ao terminar o curso foi para São Paulo, como funcionária de uma clínica. Passados seis meses, instalava sua própria clinica no bairro Perdizes, onde está até hoje. Mora em frente. Vaticinou que a medicina alternativa poderia lhe dar condições de não ser apenas mais uma na sua profissão, além de ter como contribuir com a cura de doenças até então irreversíveis.  

Porém, surgia um grande obstáculo. O médico veterinário não era aceito nos cursos de homeopatia. Foi á luta. Fez o primeiro curso limitada a ser ouvinte, no Hospital David de Castro. Desbravou o caminho. Se impôs pela competência. Em 1985 foi aceita regularmente no curso de especialização da Sociedade Brasileira de Homeopatia. Ao final do ano seguinte se transferia à Associação Médica Homeopática do Paraná, em Curitiba, para terminar o curso. O que lhe deu o título de especialista em homeopatia, com o reconhecimento do Conselho Federal de Medicina Veterinária.  

Maria do Carmo acelerou suas pesquisas. Obteve resultados extraordinários. Foi descoberta pela mídia. Por várias vezes teve seu trabalho apresentado no Canal Rural. Foi objeto de matérias no Globo Repórter e no TJ Brasil, no SBT. Na medida em que avança nos estudos e desponta como requisitada palestrante em seminários nacionais e internacionais. Maria do Carmo é notícia em revistas e jornais de circulação nacional, ou nos veículos regionais. É autora do livro Sintomas Mentais dos Animais Domésticos – a visão homeopática fazendo ponto entre o psiquismo animal e o humano.  

Tem vários casos clínicos veterinários publicados em duas dezenas de livros de seus colegas, dos quais é líder de classe. Fundou em 1.996 e presidiu por dois anos a Associação dos Médicos Veterinários Homeopatas do estado de São Paulo. Possui três cursos que oferecem em fitas de vídeo: (1) manejo homeopático do gado de leite, (2) sistema orgânico de criação de cabras e (3) produção orgânica de carne bovina. Já deu curso no Sebrae de Presidente Prudente. Em todas suas atuação é assistida pelo marido, o médico veterinário aposentado pelo Bando do Brasil no rio Grande do Sul, Júlio Costa de Mesquita. Se conheceram num congresso. Estão casados desde de dezembro de 1.998. 

O trabalho do casal, liderado por Maria do Carmo, é tão importante que a medicina homeopática está entre os assuntos em moda das revistas do momento, que cuidam de assuntos que devem ser incorporados à rotina da humanidade no terceiro milênio. Até porque em alguns casos, como a Alemanha, o consumidor exige produtos de origem orgânica, por estarem livres de resíduos de produtos químicos - inclusive a partir de agrotóxico – causadores de doenças graves como o câncer. Assim é que o trabalho da prudentina Maria do Carmo Arenales é uma contribuição è humanidade.  

*Matéria publicada em 7 de julho de 2000 no jornal O Imparcial de Presidente Prudente. Texto e reportagem de Homéro Ferreira.     

 

Este é um projeto educacional sem fins lucrativos.
Ajude-nos a manter este projeto em funcionamento.
Doar