Intercambista pelo Santander aconselha vivência no exterior

 

Presidente Prudente, quarta-feira 7 de agosto de 2013

 

Contemplada com bolsa do Programa Fórmula Santander, a estudante de arquitetura e urbanismo Marcela Rodrigues Milano retorna de intercâmbio internacional e retoma seu curso na Unoeste. Durante seis meses estudou na Universidade Técnica de Lisboa, em Portugal. Fez a disciplina Teoria da Conservação e Restauro, o que possibilitou visitas técnicas a patrimônios históricos. Aprimorou o inglês, até por conta de que as aulas foram ministradas na língua inglesa, para atender a estudantes de diferentes países. Além do interior de Portugal, também viajou para alguns países: Bélgica, Espanha, França, Inglaterra, Itália, Holanda, República Checa, Marrocos, Alemanha e Grécia. 

Como os estudos foram concentrados de segunda a quinta-feira, houve o aproveitamento de finais de semana para as viagens e ainda na segunda quinzena de julho. A bolsa custeou os estudos e a estadia.  Viajar foi possível com dinheiro enviado pela família. Marcela chegou a Portugal no último dia de janeiro e retornou no primeiro dia de agosto. Murou numa casa em Lisboa com um casal de estudantes africanos, duas portuguesas e uma brasileira radicada em Portugal, com a mãe morando em Sintra, que não queria viajar todos os dias, mesmo apesar de curta distância. 

 

Na escola de nível superior, com ensino integrado – três anos de graduação e dois de mestrado, adquiriu conhecimentos sobre conservação e restauro na pós-graduação. Disciplina com cerca de 50 alunos, incluindo vários estrangeiros. Além dos portugueses, havia brasileiros, checos, franceses, colombianos e italianos. As várias visitas técnicas permitiram ampliar o conhecimento sobre arquitetura e urbanismos, incluindo idas a patrimônios históricos como o Castelo dos Mouros e Quinta da Regaleira. Também fez iniciação científica, com estudos sobre melhorias nos espaços de diferentes blocos da universidade.

Marcela teve como parceiras do experimento científico Giulia Macedo e Patrícia Barbosa, brasileiras de Natal, no Rio Grande do Norte. Ambas com bolsas do programa Ciência sem Fronteiras, oferecido pelo governo federal do Brasil. Receberam orientação da professora portuguesa Tereza Heitor. ´´Vi muitas coisas diferentes. Fotografei muito. Convive com pessoas de outros países. Conheci novas culturas. Ampliei minha visão de mundo. Enrique meu currículo. Tudo isso fortalecerá minha vida profissional``, disse a estudante que agradece a bolsa do Santander e o apoio da Unoeste através da coordenação do curso de Arquitetura e Urbanismo e da Assessoria de Relações Interinstitucionais.  

A estada internacional retardou a formatura de Marcela em seis meses. Seria no final deste ano. Ficou para o meio do ano que vem. Neste semestre faz o novo termo e no próximo fará o décimo. Entre os estudos de momento está a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), no qual haverá aproveitamento do que foi visto em alguns países. Considerando a proposta de criação de uma clínica oncológica pediátrica, a estudante visitou hospitais infantis em Londres. Porém, pretende buscar informações em modelos brasileiros em Barretos e no Aquário Carioca, no Rio de Janeiro.  

Estimulada pelas várias viagens, Marcela conta que pretende conhecer mais o Brasil. Todavia, lastima que seja mais caro aqui do que lá, seja de avião ou de trem. Cita como exemplo uma passagem área de Lisboa para Roma por 30 euros, o equivalente a 90 reais. Roupa também é barata. Comer é caro. Produtos eletrônicos custam o mesmo que no Brasil. Usar menos a internet e andar mais a pé fez Marcela sentir-se muito mais voltada para a vida, aberta a ver tudo e todos e com isso acumular experiências. Quando esteve em Marrocos, incluindo o Deserto do Saara, ficou dez dias sem internet. 

 

 

Em atendimento à solicitação do assessor de Relações Interinstitucionais, doutor Antonio Fluminhan Júnior, Marcela está disponível para um encontro com os novos inscritos do Programa Fórmula Santander, aos quais dará dicas sobre como aproveitar melhor a experiência internacional. As inscrições ficarão abertas até 22 de setembro, no site do banco. Podem se inscrever aluno de todos os cursos da graduação e pós-graduação, com a oferta de uma bolsa para a Unoeste. Para Fluminhan é uma grande oportunidade de ampliar relações, conhecer outras culturas, enriquecer o currículo e desenvolver potencial profissional.

Este é um projeto educacional sem fins lucrativos.
Ajude-nos a manter este projeto em funcionamento.
Doar