Jornada cidadã em presídio é voltada para empregabilidade

 

 

 

Presidente Prudente, quinta-feira, 19 de maio de 2016


A 1ª Jornada da Cidadania e Empregabilidade, realizada na Penitenciária “Wellington Rodrigo Segura” de Presidente Prudente, envolve várias instituições públicas e privadas. Também mobiliza mais de uma centena de profissionais de diferentes áreas, internos e externos, na oferta de serviços e atividades para auxiliar sentenciados a se preparem para a retomada da vida em liberdade. Iniciada em abril, a jornada teve nesta quinta-feira (19) uma concentração de ações, precedidas de cerimonial, no qual foi evidenciada sua relevância e a importância do envolvimento de parceiros, entre os quais a Pró-reitoria de Extensão e Ação Comunitária (Proext), por intermédio de ações de responsabilidade social da universidade e pelo Programa Unoeste Inclusiva.



A realização é da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), através da Coordenadoria de Reintegração Social e Cidadania (CRSC), da Coordenadoria das Unidades Prisionais da Região Oeste (Croeste) e da penitenciária instalada no bairro rural Montalvão. O projeto nasceu em Tremembé, no mês de junho do ano passado. Em menos de 1 ano já foi desenvolvido em 64 das 164 unidades prisionais, sendo as duas últimas as de Prudente e de Serra Azul, na região de Ribeirão Preto. O foco é a empregabilidade, compreendida como a capacidade de alguém em reinserir-se no mercado de trabalho.  Entre as atividades para este fim, estão as palestras e oficinas.

Também são prestados serviços, a exemplo das emissões do CPF, RG e Carteira de Trabalho. O balanço fechado sobre 62 unidades, antes de Prudente e Serra Azul, apresenta, entre outros, os seguintes números: 6.692 CPFs, 10.416 RGs, 2.141 Carteiras de Trabalho, 6.468 certidões, 28.964 participantes das palestras e 28.308 beneficiados com atendimentos de saúde. São dados apresentados pelo coordenador de reintegração social e cidadania, Evaldo Barreto dos Santos; para quem o envolvimento dos parceiros é fundamental. As parcerias foram comentadas por todos os oradores da cerimônia conduzida pelo radialista Douglas Bezerra, com a Unoeste citada várias vezes, pelo seu histórico de contribuições nesse segmento e expressiva participação na jornada.

O servidor do Grupo de Acolhimento e do Núcleo do Centro Regional de Qualidade de Vida e Saúde do Servidor, Alessandro Aparecido Rampasso – falando em nome do coordenador da Croeste, Roberto Medina – disse que a jornada é um exemplo para desmistificar o pensamento de que o sistema prisional apenas guarda o preso e depois o devolve para a sociedade. Contou que são várias ações para que os sentenciados se preparem à reintegração, mas que a escolha em ser melhor depende de cada um. O diretor regional da Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho, Thiago Andrade Rodrigues, evidenciou a importância de se ter a carteira, como o principal documento do trabalhador.



Para o diretor técnico da penitenciária de Prudente, José Carlos dos Santos, houve uma energia muito positiva com muita gente ajudando, incluindo servidores e parceiros. Disse que a jornada é um exemplo do que é feito no dia a dia, mas que sua relevância está em envolver a sociedade com serviços e atividades no próprio presídio. A pedagoga Joana D’Arc Nascimento Aguiar Coelho, como uma das parceiras e também diretora de escola, disse que as escolas preparam as crianças e os jovens para a vida, sendo que alguns acabam presos, mas que isso não é o fim, pois o sentenciado, com ajuda como a da jornada, pode optar pelo recomeço.



A Proext mobilizou professores e alguns alunos da Unoeste que durante esta quinta-feira (19) ministram a palestra “Vínculos familiares” e as oficinas: “Como elaborar um currículo e se portar em uma entrevista de emprego” e “Empreendedorismo e modelagem de negócio”, sendo as duas pela manhã e novamente à tarde. Houve o envolvimento dos cursos de Tecnologia em Recursos Humanos, Administração, Psicologia e do mestrado em Educação. Alguns dos sentenciados presentes na cerimônia disseram que a jornada é tão boa que deveria acontecer mais de uma vez por ano. O evento de preparação para a liberdade atendeu aos que cumprem penas nos regimes fechado e semiaberto.

 

Este é um projeto educacional sem fins lucrativos.
Ajude-nos a manter este projeto em funcionamento.
Doar