Inovações em ciência e tecnologia são debatidas em Prudente

 
 

 

 

Presidente Prudente, segunda-feira 30 de março de 2015

 

Representantes de vários setores estão empenhados no avanço de políticas públicas, incluindo ações que envolvem setores privados, para inovações em ciência e tecnologia no município de Presidente Prudente. No momento os debates estão voltados para a criação da Lei Municipal de Ciência, Tecnologia e Informação (CT&I). São oito diretrizes que norteiam as discussões para formalizar o documento legal, a ser elaborado pelo poder executivo e encaminhado à apreciação e votação na câmara de vereadores. Os critérios foram formalizados na manhã desta segunda-feira (30) durante o 1º Encontro sobre Políticas Públicas Municipais de Ciência, Tecnologia e Inovação; realizado no Auditório Sebastião Jorge Chammé, no Centro Cultural Matarazzo.

 

As diretrizes são as seguintes: sistema municipal de inovação, arranjo promotor de inovação, incubadora tecnológica, conselho municipal de CT&I, fundo municipal de CT&I, incentivo fiscal à inovação, plano de sustentabilidade de administração pública e plano de inovação da administração pública. Amplo painel on-line de sugestão estará disponível no Portal da Inovação, criado pela Secretaria Municipal de Tecnologia, com acesso pelo seguinte endereço eletrônico: www.presidenteprudente.sp.gov.br/inovacao. O secretário Marcus Rogério Alessi, durante o encontro, lançou o apelo para que todos os interessados participem, contribuindo na construção de uma lei que irá impactar a vida do município pelo menos nos próximos 15 ou até 30 anos.

 

Na condição de produtora e multiplicadora de conhecimento – pela pesquisa, ensino e extensão – a Unoeste está plenamente inserida e ocupa posição de vanguarda nessas discussões, iniciadas em 2001 e que resultou, três anos mais tarde, na instalação da Incubadora Tecnológica de Presidente Prudente (Intepp). Atualmente instalada no campus II da universidade, desde o primeiro instante a incubadora envolveu a Associação Prudentina de Educação e Cultura (Apec), na condição de mantenedora da Unoeste, Faculdade de Informática de Presidente Prudente (Fipp) e parceiros como a Prefeitura, através das secretárias da informação e do desenvolvimento econômico, associação comercial, campus da Unesp e regional do Sebrae.

 

O vice-presidente da Intepp, Emerson Silas Dória – representando o presidente e diretor da Fipp Moacir Del Trejo – ocupou lugar na mesa que conduziu o 1º Encontro sobre Políticas Públicas Municipais de Ciência, Tecnologia e Inovação. Citou que Prudente tem Londrina/PR como referência nesse seguimento. Num comparativo, considerando os quatro anos de vigência da lei de incentivo fiscal do Imposto Sobre Serviços (ISS), citou que na cidade paranaense teve dois projetos e aprovados, enquanto em Prudente foram cinco, em menos de um ano. Dória falou sobre o apoio incondicional da Prefeitura, para agradecer o prefeito Milton Carlos de Mello ´Tupã` (PTB) que fez a abertura oficial do encontro no qual a Câmara Municipal esteve representada pelo vereador Ivan Júnior.

Para o presidente da Associação das Empresas de Software do Oeste Paulista, Milton Tsukamoto, o evento ratificou o compromisso da administração pública num projeto de parceria com a iniciativa privada que pretende fazer de Presidente Prudente polo estadual de inovação em ciência e tecnologia. Nesse aspecto do incentivo e da ação oficial, Dória falou sobre entendimento com a Secretaria Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação para instalar o Centro de Inovação de Presidente Prudente (Cipp) e uma Central de Atendimento com o selo de qualidade ISO 20.000, norma utilizada para certificação dentro de padrão internacionalmente aceito em sistemas de gestão de serviços de tecnologia da informação.

O prefeito Tupã afirmou que a cidade tem avançado e irá avançar ainda mais nesse setor, graças à somatória de esforços. Ao fazer essa referência aos parceiros, solicitou que a formulação da lei em debate tenha ampla participação, no sentido de ser bem elaborada e ter força para sobreviver às mudanças da gestão pública municipal, que ocorrem com as eleições a cada quatro anos. Disse que a prefeitura tem seus limites, daí a necessidade da participação de todos os interessados no assunto. “Hoje está sendo demonstrado que podemos, devemos e já conseguimos e conseguiremos fazer algo diferente. Do início até agora, houve grande desenvolvimento”, pontuou.

Além de Dória e Alessi, que lecionam na Fipp, a Unoeste esteve representada pelos professores Caetano Bocchi, João Cezário Giglio Marques e Luís Horácio Ramos Isique, gerente da Intepp. No encontro, com empresários e representantes de vários setores, ficou estabelecido, embora sem data ainda definida, que Prudente será uma das primeiras cidades brasileiras a ter uma lei municipal sobre inovação em ciência e tecnologia após a promulgação pelo Congresso Nacional, no final de fevereiro deste ano, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 35 que altera dispositivos constitucionais para melhorar a articulação entre estado e instituições de pesquisa públicas e privadas, ampliando o leque das entidades que podem receber apoio do setor público para pesquisas, sejam de educação profissional ou tecnológica.

Este é um projeto educacional sem fins lucrativos.
Ajude-nos a manter este projeto em funcionamento.
Doar