A crise nossa de cada dia

Antes que a crise entre de cabeça na sua vida para subtrair o pouco que você conquistou com muito esforço, exercite a sabedoria e cautela. Enquanto os verdadeiros culpados pela crise financeira mundial não encontram culpados mais fáceis de serem punidos, vamos extrair algumas lições da crise antes que ela interfira definitivamente em nossas vidas e provoque estragos maiores do que aquele que já surrupiou 50% da nossa mísera poupança aplicada na bolsa de valores.  

De fato, não é necessário entender muito de economia ou de finanças para saber que o principal culpado pela crise financeira atual chama-se consumo irresponsável norte-americano, aliado ao capitalismo selvagem alimentado pela ganância das instituições financeiras que estimula a realização o sonho de consumo dos emergentes, também de maneira irresponsável.  

Parafraseando o comandante Rolim Amaro, ex-presidente da TAM, “em crises financeiras mundiais não existem culpados”, mesmo porque eles nunca serão encontrados, mas existem lições a serem aprendidas. Lições que há muito tempo já foram assimiladas pelos homens mais ricos do mundo, que sabem como ninguém extrair o melhor das crises para se tornar ainda mais ricos.  

O fato é que uma crise dessa proporção vai afetar, como sempre, as camadas menos favorecidas da população: os pobres, os miseravelmente pobres, os emergentes e, em parte, a classe média. Nessa hora, há uma tendência de todos tentarem se proteger do reflexo, principalmente aqueles que têm pouco a perder. Como diria o célebre escritor La Fontaine, há mais de trezentos anos, “os pequenos sofrem com a tolice dos grandes.”  

No caso do Brasil, somos doutores em crises financeiras, caos e planos econômicos. Sobrevivemos aos Planos Cruzado, Cruzado Novo, Bresser, Verão, Collor, Collor II e Real, tablita, URV, maxidesvalorização do real, apagão e outras parafernálias econômicas; portanto, nada mais nos assusta. A capacidade de conviver com a incerteza e de prosperar diante dela é apenas um dos motivos pelos quais os executivos brasileiros são cada vez mais requisitados no exterior.  

Falar em crise não basta; esconder-se debaixo da mesa, também não; antecipar o sofrimento para ver se passa mais rápido, menos ainda. Antes que ela entre de cabeça na sua vida para subtrair o pouco que você conquistou com muito esforço, aqui vão algumas reflexões úteis para reduzir a ansiedade geral:  

1. Não ignore a crise. Pense nas sábias palavras de Arkad, o homem mais rico da Babilônia: é melhor uma pequena cautela do que um grande remorso. Pare de sonhar e acreditar no governo que afirma ter tudo sob controle enquanto o mundo inteiro desaba. Não seja um otimista irresponsável. É óbvio que a crise vai passar; mas, a que custo e em quanto tempo nenhum espertalhão se atreve a dizer.  

2. Não superestime a crise. O mundo não acabou na crise de 1929 nem durante a grande depressão dos anos subseqüentes; também não implodiu durante a crise do petróleo, em 1973. Da mesma forma, o Brasil não acabou quando o Presidente Sarney decretou a Moratória, em 1987 nem quando um ex-metalúrgico assumiu o governo e passou a contrariar a premonição dos empresários na época. Toda crise tem seu remédio cujo tempo se encarregará de aplicar.  

3. Aperte o cinto. Não é hora de sair fazendo dívidas ou de assumir compromissos a perder de vista. O momento requer sabedoria, além de cautela. Vivemos um período de total incerteza em relação ao futuro econômico do mundo. Portanto, enquanto as coisas não se acalmam, procure conter o impulso do consumo. A velha máxima continua a mesma: poupar em tempo de vacas gordas para sobreviver em tempo de vacas magras.  

4. Continue trabalhando. Nada de berço esplêndido, a despeito de todo o dinheiro que você possa ter no banco. Quer seja empresário, quer seja empregado, lembre-se: nada supera o trabalho. É na crise que a oportunidade aparece. Dê o melhor de si e agora, mais do que nunca, não perca o seu objetivo e o seu cliente de vista.  Por fim, lembre-se de que você está no Brasil e, graças a Deus, o que não falta nesse país é trabalho. Se você depender do governo para colocar a vida nos trilhos, pode se considerar um bom escravo porque ela não vai além do que o governo ditar como verdade. Faça o seu caminho e não olhe para trás. De acordo com Francis Bacon, político e filósofo inglês, “tudo o que a mente agarra com avidez e tudo em que ela se demora com singular satisfação deve ser tomado com desconfiança.” Pense nisso e seja feliz!  

*Jerônimo Mendes é administrador, consultor e palestrante. Autor de Oh, Mundo Cãoporativo! (Qualitymark) e Benditas Muletas (Vozes). Site: www.jeronimos.com.br

 

Este é um projeto educacional sem fins lucrativos.
Ajude-nos a manter este projeto em funcionamento.
Doar